Piggy Gold

SENAI do Amazonas realiza evento para destacar ações inclusivas

O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) do Amazonas realizou, na última semana, em diversas escolas do estado, a “Feira do Livro e Biblioteca Inclusiva”

Os alunos participaram de jogos, simulando limitações visuais, por exemplo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) do Amazonas realizou, na última semana, em diversas escolas do estado, a “Feira do Livro e Biblioteca Inclusiva” com exposições de livros, concursos de poesia, doações de livros, músicas, brincadeiras e jogos interativos, todos voltados para deficientes físicos, auditivos, intelectuais, visuais ou múltiplos.

Na feira, alunos do SENAI interagiram com jogos, simulando deficiências, como foi o caso do “Jogo da Memória” - peças com texturas em alto relevo, trabalhadas especialmente para pessoas com deficiências visuais. O jogo foi disputado em duplas, como foi o caso dos alunos Paulo Vinícius Souza, 18 anos, e Maria Eduarda Oliveira, 17 anos. Um jogo fácil, mas não para quem joga com vendas nos olhos. Para quem tem a deficiência deve ser um pouco mais fácil”, cometou Eduarda.

O diretor do SENAI Amazonas, Aldemurpe Barros, destacou a importância do evento voltado para pessoas com deficiências. “Temos que nos preocupar com a inclusão social em nosso Estado, principalmente por estarmos em um mundo cada vez mais competitivo, e com pessoas que precisam de oportunidades para ingressar no mercado de trabalho," destacou Aldemurpe.

A Fundação Paulo Feitosa (FPF), uma das parceiras do evento, levou aos alunos participantes da feira o Acessi Mouse, sistema que possibilita a utilização plena do computador com pequenos movimentos da cabeça e boca, por meio de imagens capturadas pela webcam instalada no computador, de modo a controlar os movimentos e cliques do cursor do mouse.

Para o aluno do curso de Assistente Administrativo Industrial, Dominique dos Santos, 18 anos, a feira permitiu experiência sem igual. “O Acessi Mouse é muito inteligente, nunca imaginei poder jogar no computador apenas usando a cabeça e a boca. É demais, uma experiência muito boa”, disse.

A atividade faz parte do Programa SENAI de Ações Inclusivas (PSAI) que, de acordo com a responsável pelo programa no Amazonas, Tatyanne dos Santos, oferece qualificação para que pessoas com deficiências trabalhem na indústria. “É preciso que tenhamos consciência de que essas pessoas podem fazer a diferença no mercado, que suas limitações devem ser olhadas e analisadas, pois com certeza têm algo a ser feito dentro das empresas por essas pessoas, basta que capacitemos. E é para isso que nosso programa está aqui”, explicou Tatyanne.

O programa existe no Amazonas desde o ano de 2000 e já capacitou mais de dois mil deficientes em seus cursos de profissionalização e capacitação. O ex-aluno Gabriel da Silva, 20 anos, conta que realizou os cursos Avançado de Informática e Operador de Computadores. “Minha base foi o SENAI, aprendi muito aqui, e sempre que tenho oportunidade como hoje, compareço, pois levo sempre algo novo para minhas novas conquistas”, disse Gabriel.

Relacionadas

Leia mais

Programa SESI Matemática muda forma de ensino e reduz número de alunos em recuperação
Exposição de obras do Prêmio Marcantonio Vilaça chega ao Rio de Janeiro
Quer crescer na sua carreira? Descubra os cursos do SENAI com vagas abertas perto de você

Comentários

Piggy Gold Mapa do site