Piggy Gold

Presidente da CNI condena aumento de impostos e defende mudanças estruturais na economia

Para Robson Braga de Andrade, solução para equilibrar contas públicas estariam nas reformas administrativa e da Previdência Social

“Os estados estão quebrados. Se não resolvermos o desequilíbrio fiscal definitivamente, as dificuldades continuarão em 2016 e nos anos seguintes” - Robson Braga de Andrade

O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, disse nesta quarta-feira (9) que o aumento ou a criação de impostos não é a saída para o equilíbrio das contas públicas. “O Brasil precisa fazer mudanças estruturais para enfrentar de uma vez por todas a questão do déficit público. Não dá mais para aumentar impostos”, destacou Andrade, durante a abertura do seminário Desequilíbrios fiscais, segurança jurídica e desenvolvimento: problemas e agenda para a superação , que ocorre na sede da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), em Brasília.

Para Andrade, o aumento dos impostos é “absurdo”, porque penaliza a sociedade, que não recebe do estado serviços de qualidade que justifiquem a elevada carga tributária, atualmente em torno de 37% do Produto Interno Bruto (PIB). Ele disse ainda que não acredita em imposto provisório, lembrando as dificuldades enfrentadas pela sociedade para conseguir a extinção da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). Outro exemplo, segundo ele, são os 10% sobre a multa do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), criado para o pagamento da correção devida pelos planos econômicos. “A dívida foi paga e a contribuição permanece”, afirmou.

Entre as reformas que devem ser feitas, Andrade citou a administrativa e a da Previdência Social. “Precisamos discutir as mudanças na Previdência, a redução do número de ministérios, de cargos comissionados e outras despesas". Ele defendeu que o país enfrente, com urgência, a questão fiscal. “Os estados estão quebrados. Se não resolvermos o desequilíbrio fiscal definitivamente, as dificuldades continuarão em 2016 e nos anos seguintes”, afirmou. O presidente da CNI defendeu ainda o aumento da segurança jurídica. “Dormimos com uma legislação e acordamos com outra. Isso afasta os investidores”, afirmou.

SEGURANÇA JURÍDICA - O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Marcus Vinícius Furtado Coêlho, também criticou as constantes mudanças na legislação e na interpretação das normas pela Justiça. “A interpretação de uma lei hoje não pode ter efeito retroativo”, disse Coêlho.

Para ele, o governo deve dar o exemplo cumprindo as leis. “É inadmissível ter um estado que impeça o crescimento. A insegurança jurídica afugenta os investidores e reduz a competitividade do país.” Coêlho disse ainda que o aumento dos impostos é inadmissível. “É preciso diminuir a despesa pública. O aumento dos tributos sufoca a atividade produtiva e reduz a arrecadação.”

Os presidentes da Confederação Nacional da Saúde (CNS), Renato Merolli, e da Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL), Honório Pinheiro, concordaram que o aumento da segurança jurídica e o ajuste fiscal são decisivos para o Brasil superar a crise.

O seminário Desequilíbrios fiscais, segurança jurídica e desenvolvimento: problemas e a agenda para a superação , que prossegue até às 17h, é promovido pelo fórum apartidário e independente lançado em 19 de agosto por entidades da sociedade civil para ajudar o Brasil a enfrentar a crise política e econômica e propor medidas que aumentem a segurança jurídica. No lançamento do Fórum, as entidades apresentaram a Carta à Nação.
 

LEIA TAMBÉM

Relacionadas

Leia mais

57% dos brasileiros alteraram hábitos de consumo ou planejamento financeiro em função da crise
Manutenção dos juros evita aprofundamento da recessão, avalia CNI
Aumentam perdas da indústria brasileira diante da concorrência chinesa

Comentários

Piggy Gold Mapa do site